Tudo viagem

Visitas ao Parque da Serra da Canastra onde fica nascente do rio São Francisco estão proibidas há 7 meses

No dia 1° de outubro foi liberado ao acesso a parte baixa do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde fica a cachoeira da Casca D’anta.

A parte alta do Parque Nacional da Serra da Canastra, em São Roque de Minas, está fechada desde março deste ano, quando começou a pandemia do novo coronavírius. A reabertura ainda não ocorreu por falta de funcionários para realizar a limpeza e higienização dos banheiros e do Centro de Visitantes. É na parte alta que fica a nascente o rio São Francisco,. além de várias cachoeiras de água cristalina e animais da fauna brasileira.

Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), os funcionários da limpeza estão afastados por pertencerem ao grupo de risco do coronavírus. No dia 1° de outubro foi liberado ao acesso a parte baixa do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde fica a cachoeira da Casca D’anta, a primeira do Rio São Francisco.

Nascente do rio São Francisco no Parque Nacional da Serra da Canastra, em São Roque de Minas. (fotos: João Henrique Heringer)

O acesso à cachoeira Casca D’anta é pela portaria 4, passando pela cidade de Vargem Bonita. A entrada será por agendamento de ingressos. O parque só pode receber 424 pessoas por dia para evitar aglomerações. Brasileiros pagam R$ 11 para visitar o parque.

Proprietários dos hotéis e pousadas de São Roque de Minas e de Vargem Bonita alegam que a reabertura vai atrair turistas para a região. Os guias e empresas especializadas nos passeios na Serra da Canastra também reclamam da queda no número de turistas na região por causa do fechamento do parque.

Veja nota do ICMBio sobre a situação do parque

No momento, a equipe responsável pela limpeza da Parte Alta está afastada por pertencer ao grupo de risco da Covid-19. O ICMBio está providenciando a contratação de equipe substituta para atender às condições impostas pelo Estado e Município para reabertura deste setor do Parque.

 

Garanta aqui hospedagem em São Roque de Minas

 

Confira nosso especial de viagem sobre a Serra da Canastra

 

SKY garante permanência no Brasil e promete normalizar venda das passagens

A Sky descarta ter suspendido sua operação no Brasil, onde atualmente voa para quatro cidades brasileiras: São Paulo e Rio de Janeiro (frequências regulares).

A companhia de baixo custo SKY Airlines divulgou sobre a suspensão da venda das passagens nos voos do Brasil para Santiago, no Chile. A suspensão da venda das passagens foi divulgada com exclusividade na manhã terça-feira (21/01) pelo Tudo Viagem. A boa notícia é que a companhia afirma no comunicado que manterá as operações no Brasil. A aérea chilena alega que o problema foi em função de ajustes no planejamento de rotas e itinerários. (Veja nota completa abaixo).

Comunicado para imprensa

A SKY Airline, companhia aérea chilena de baixo custo que opera no Brasil desde novembro de 2018, relata que, devido a ajustes no planejamento de rotas e itinerários, algo completamente regular que cada companhia aérea realiza, as compras de bilhetes desde julho de 2020 não estão disponíveis, mas estarão normalizadas nos próximos dias.

A Sky descarta ter suspendido sua operação no Brasil, onde atualmente voa para quatro cidades brasileiras: São Paulo e Rio de Janeiro (frequências regulares), Florianópolis e Salvador (frequências sazonais).

Atualização

Assim que a SKY começar a vender as passagens vamos atualizar esse post. Os leitores do Tudo Viagem que entraram em contato com a redação informaram que o problema teria começado na segunda-feira (20/01).

Matérias relacionadas

Exclusivo! SKY suspende a venda das passagens de todos os voos do Brasil

Primeira rota doméstica da SKY Airline no Peru vai ligar Arequipa a Cusco

SKY renova a frota com aeronaves mais sustentáveis

Pretende viajar? Faça aqui a sua cotação e garanta passagens aéreas com descontos

Vale suspende circulação do trem de passageiros por falhas na sinalização

As viagens do trem
de passageiros pela Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) estão
suspensas nesta a quinta-feira (30). São cerca de três mil pessoas
prejudicadas nos trens que partiriam as 7h30 de Belo Horizonte e as 7
horas de Vitória. O problema e que há poucas passagens de ônibus disponíveis de Belo Horizonte para
Vitória.


Segundo a Vale, foram identificados problemas no sistema de sinalização eletrônica
da estrada e para garantir a segurança dos passageiros a operação
foi suspensa. Quem tinha viagem marcada para a data tem a opção de
pedir o reembolso do bilhete comprado ou de remarcar a passagem, sem
custo adicional, no prazo de até 30 dias.


A Vale ressaltou
que está tratando a situação com a máxima prioridade e que a
circulação do trem. Ainda não há confirmação se na sexta-feira,
feriado de 1º de maio, haverá circulação do trem. A decisão será tomada após vistoria que será feita no trecho de Minas Gerais que apresentou o problema.
 

INFORMAÇÕES
PELO
Alô
Ferrovia

0800-285-7000

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com