Tudo viagem

Gol já devolveu 11 aeronaves e planeja abrir mão de outras 37 até 2022

Serão reabertas pela Gol até o final de junho 5 bases, entre elas Porto Seguro, Petrolina, Ilhéus, Juazeiro do Norte e Chapecó.

Em comunicado ao investidor, a Gol  informou que desde a última atualização mensal, em 13/5/20, que melhorou sua posição de liquidez para mais de 12 meses em reservas de caixa, o que protege e fortalece a companhia nessa crise. A Gol reduziu sua frota em 11 aeronaves B737-800 arrendadas, planeja devolver outras sete aeronaves arrendadas no 2° semestre de 2020, e pode reduzir até outras 30 em 2021-2022, com a flexibilidade de abir mão de um número superior caso a demanda estiver menor.

No comunicado a  Gol alega que cortou os recebimentos do Boeing 737 MAX para 2020-2022 em 47 aeronaves. “A Companhia acredita que está bem posicionada nessa retomada, devido à sua participação de 38% no mercado doméstico de passageiros no Brasil, com uma malha que atende clientes dos segmentos de negócios e de lazer”, diz trecho do comunicado.

Atualmente a Gol está com 130 aeronaves em sua frota, mas deste total apenas 13 estão sendo usadas em sua malha. As operações em maio representaram 7% do realizado em maio no ano passado, aumentando para 10% no final do período com a reabertura das bases nos aeroportos de Foz de Iguaçu e Navegantes.

A Gol também aumentou o número de voos a partir de Congonhas, São Paulo, para os aeroportos de Santos Dumont e Galeão, no Rio de Janeiro. A té o final de junho a Gol espera chegar a 20% do realizado no mesmo mês do ano passado, com 27 aeronaves operacionais na malha.

Serão reabertas pela Gol até o final de junho cinco bases, entre elas Porto Seguro, Petrolina, Ilhéus, Juazeiro do Norte e Chapecó, além de  voos adicionais a partir do aeroporto de Congonhas em São Paulo para nove aeroportos (Porto Alegre, Curitiba, Confins, Florianópolis, Navegantes, Recife, Salvador, e Santos Dumont e Galeão no Rio de Janeiro).

Acordo coletivo

A Gol e o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) fecharam um acordo que se estende pelos próximos 18 meses, com o objetivo de manter mais de 5.000 empregos para seus pilotos e tripulação, além de preservar caixa. O acordo visa preservar 16 mil empregos.

Segundo a Gol, a medida abrangeu 926 comandantes, 964 copilotos e 3.262 comissários de bordo da empresa.  Em abril/20  a Gol reduziu a jornada de trabalho e a remuneração dos Colaboradores operacionais e administrativos, negociou meio expediente para sua tripulação, e diminuiu salários em 50% para gerentes e diretores e em 60% para Vice-Presidentes e o Diretor-Presidente.

“Com tais premissas conservadoras, a companhia estima possuir atualmente mais de 12 meses de caixa disponível, incluindo o pagamento integral de todas as despesas financeiras e dívidas. Isso é um incremento em relação aos 10 meses de caixa do seu relatório mensal de abril, decorrente de maiores reduções de custo e de recuperação na demanda dos clientes”, diz outro trecho do comunicado da Gol.

Caixa para 12 meses

Em 31 de maio, a Gol possuía aproximadamente R$ 3,5 bilhões em liquidez total, o que garante mais de 12 meses de caixa disponível (excluindo reembolsos e caixa restrito). No mês, a Gol utilizou aproximadamente US$30 milhões para liquidações de operações de hedge de combustível. Contemplando os valores financiáveis de depósitos e ativos não onerados (destacados na tabela abaixo), as fontes de liquidez da Gol seriam aproximadamente R$7 bilhões. A companhia atualmente dispõe de R$1,7 bilhão em ativos não onerados.

Pretende viajar? Faça aqui a sua cotação e garanta voos com descontos especiais

(Visited 10 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com