Congonhas poderá receber voos de todas as cidades

O aeroporto de Congonhas (SP) poderá receber voos de todas as cidades brasileiras sem limitação de distância. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) estringiu o raio de cobertura de operações regulares de partida ou chegada no aeroporto de Congonhas (SBSP/CGH) em até 1.500 km.  
Localizado na região central de São Paulo e o 3° mais movimentado do país, o terminal é praticamente domiando pelas gigantes Gol e TAM. Avianca e Azul também têm slots em Congonhas, mas não passa de 20% do total de pousos e decolagens. A Gol já aguarda autorização da Anac para lançar voos diários e diretos de Congonhas para Recife. As outras capitais que poderão ter voos para a capital paulista são Natal (RN), Manaus (AM), Maceió (AL), Fortaleza (CE) e Belém. 
Segundo a Anac, a revogação das portarias por meio da Resolução nº 270 da agência foi determinada pela ausência de motivação técnica ou econômica para manutenção dessa restrição, e com o objetivo de flexibilizar as operações regulares no aeroporto permitindo a ampliação dos serviços de transporte oferecidos.
 A restrição das operações em Congonhas foi emitida em julho de 2007, por meio da portaria Anac nº 806/2007, e ratificada no ano seguinte, pela portaria Nº 327/2008, conforme cumprimento da resolução CONAC nº-006/2007, que redistribuiu a malha aérea do aeroporto e restringiu operações regulares no terminal a uma distância máxima de 1.500 km de seu destino ou origem.
Com a resolução em vigor desde o dia 08 dezembro de 2015, as companhias aéreas que operam em Congonhas estão reestruturando a malha aérea e solicitando voos à ANAC para diversas localidades brasileiras, principalmente destinos no nordeste do país.
A medida adotada pela Agência só interfere no raio de cobertura das operações do aeroporto, tendo em vista que as empresas aéreas operam em Congonhas dentro dos limites da infraestrutura disponível, calculando peso, combustível e demais aspectos operacionais para compatibilizar as rotas realizadas, sem prejuízo para a segurança operacional e de voo. A restrição do número de movimentos/hora continua vigente e inalterada. 



Aeroporto de Brasília terá pousos e decolagens em duas pistas a partir de novembro

A partir de novembro deste ano o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, vai operar  com duas pistas simultâneas. Será o primeiro aeroporto da América do Sul a realizar operações paralelas simultâneas independentes. A capacidade de pousos e decolagens vai aumentar de 60 para 80 por hora, facilitando o controle de tráfego aéreo nos horários de pico. O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), órgão ligado à Aeronáutica, analisou e autorizou o novo procedimento.

O terminal é o único do país com pistas paralelas a uma distância segura para realizar pousos ou decolagens simultâneos. As pistas têm 3.300m x 45m e 3.200m x 45m, com espaço de 1,8 km entre elas. O mínimo exigido para distância entre duas pistas é de 1.025m, estipulado pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI). As duas pistas do Aeroporto JK têm uma distância de 50% a mais do que o mínimo requerido.
O diretor do Departamento de Gestão e Planejamento de Navegação Aérea Civil da Secretaria de Aviação Civil, Rafael Botelho Faria, explica que o procedimento é considerado de rotina e não é mais ou menos seguro do que outra operação. “O principal benefício desse tipo de operação é o de diminuir a restrição na quantidade de aeronaves que deveriam decolar ou pousar no aeroporto numa hora-pico.
Com o fim dessa restrição ganha-se rapidez no número de movimentos, que aumentam em 33% por hora, passando de 60 para 80. Assim, você permite mais ofertas de horários nos momentos de pico, além de mais infraestrutura para as companhias aéreas operarem no horário e consigam atender maior número de voos e assentos”, analisa o diretor da Secretaria de Aviação Civil.
Com a operação de duas pistas de maneira simultânea, haverá maior capacidade de processamento de passageiros e aeronaves, além de maior conforto para o passageiro e pontualidade de operação e incremento do número de voos nos horários de pico, de 7h às 11h, e das 17h às 21h. Mas essa operação exige uma capacitação extra dos controladores de voo. Eles farão treinamento prático até setembro, nos simuladores do Decea, em São José dos Campos, em São Paulo.
O Aeroporto de Brasília tem 45 destinos nacionais e sete internacionais regulares, operados por 12 companhias aéreas. É o segundo aeroporto em movimentação de passageiros do Brasil e o terceiro em movimentação internacional. A média diária de voos no Terminal é de 500 movimentos aéreos. Já de usuários, entre embarques, desembarques e conexão são 49 mil.
O procedimento já é realizado em alguns aeroportos do mundo, como o Aeroporto de Hartsfield-Jackson, em Atlanta, nos Estados Unidos, um dos mais movimentados do mundo. O Terminal possui cinco pistas, sendo que três delas operam simultaneamente.
Além do terminal americano, outros aeroportos como o de Pequim, na China; Heathrow, na Inglaterra; Indira Gandhi, na Índia, também trabalham com operações simultâneas.

Azul ganha 26 voos em Congonhas e Avianca recebe autorizaçao para lançar mais 17

A partir de 27 de outubro a companhia Azul terá em dias úteis 26 slots (pousos e decolagens) no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Já companhia Avianca, que já opera na capital paulista, ganhou 17 novos slots, totalizando 40. A utilização desses slots ocorrerá na temporada de inverno, de 27/10/2014 a 29/03/2015. Atualmente a Azul tem apenas voos nos fins de semana do Sanos Dumont para Congonhas.

Os novos slots foram divulgados nesta quinta-feira (9) pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Os novos voos foram foram para as companhias que possuíam igual ou menos de 12% de participação dos slots do aeroporto.  A nova distribuição para o Aeroporto de Congonhas foi realizada de acordo com as diretrizes da Resolução n°3/2014, do Conselho de Aviação Civil (CONAC), e com as regras da Resolução nº 336/2014, da ANAC.
Os slots diários são provenientes do rearranjo da capacidade de pista para a aviação comercial somados a dois slots remanescentes do banco de slots (retirados de empresas que deixaram de operar no aeroporto). As empresas contempladas poderão pedir alterações dos seus horários de pousos e decolagens a qualquer tempo, desde que dentro da capacidade operacional do aeroporto.
Segundo a Anac, O objetivo das novas regras para utilização do Aeroporto de Congonhas é incentivar uma maior concorrência e, em consequência, menores preços ao consumidor, sem representar um aumento da capacidade do aeroporto, que permanece operando dentro das regras de segurança da aviação civil. 
A aviação geral já usa exclusivamente a pista auxiliar e também continuará sendo atendida na pista principal do aeroporto. Os slots da aviação geral são analisados pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), do Comando da Aeronáutica.
A partir da efetiva operação dos slots distribuídos, a Anac começará a avaliar a pontualidade e a regularidade de todos os slots utilizados, conforme os padrões estabelecidos na norma. 
Ainda segundo a Anac, o descumprimento sistemático desses índices poderá gerar a redistribuição dos slots mal utilizados, com objetivo de obter o uso mais eficiente desses horários de partidas e chegadas, assim como a aplicação de multas.
CONFIRA A DISTRIBUIÇÃO DE SLOTS EM CONGONHAS
Slots em dia últil (seg a Sexta) Anterior Participação Após Distibuição Participação
GOL 234 47% 234 44%
TAM 236 48% 236 44%
AVIANCA 24 5% 40 7%
AZUL 0 0% 26 5%
TOTAIS 494 536
HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com