Tudo viagem

Serra do Cipó tem 5 cachoeiras liberadas a funcionar nos finais de semana

As exigências para receber turistas são o controle de temperatura, orientações sobre as regras de prevenção, banheiros, lixeiras e salva-vidas.

O decreto 061/2020 da Prefeitura de Santana do Riacho liberou a reabertura de cinco cachoeiras nos finais de semana dos atrativos do distrito Serra do Cipó. Mesmo sendo com capacidade reduzida, a notícia vem em um bom momento. Com o calor e a baixa umidade relativa do ar, a liberação agradou aos apaixonados pelas cachoeiras.

O acesso nos finais de semana está autorizado desde o dia 12 de setembro. Nesta mesma data as pousadas foram autorizadas a aumentar de 50 para 60% a capacidade para receber hóspedes. O decreto também liberou as operações aos finais de semana de receptivos turísticos e operadores de atividades, além de regular o horário dos estabelecimentos de alimentação. (Veja abaixo a lista das cachoeiras que estão recebendo público).

Cachoeira da Fazenda Parauninha está liberada para funcionar nos finais de semana

Segundo a prefeitura, a decisão tem como propósito orientar melhor os visitantes a locais apropriados e monitorados e propiciar experiências mais seguras, evitando invasões em áreas proibidas e gerando menos aglomeração. O horário do funcionamento das cachoeiras é de 8 às 17 horas.

Quando o visitante estiver fora do espelho de água, terá que usar máscara de proteção facial.  s cachoeiras autorizadas a receber o público passaram por vistoria da Prefeitura de Santana do Riacho. As exigências para receber turistas são o controle de temperatura, orientações sobre as regras de prevenção, banheiros, lixeiras, salva-vidas e outros serviços e infraestrutura que garantem mais conforto e segurança aos visitantes.

A utilização de guias e condutores para realização de passeios também estimula o acesso a locais adequados as visitas, garante a segurança das atividades, reduz o impacto de lixo e desordem,
melhora a qualidade da experiência e propicia mais oportunidades aos turistas.

Os atrativos turísticos da Lapinha da Serra e demais localidades do município de Santana do Riacho ainda não estão autorizados a funcionar.  O Parque Nacional da Serra do Cipó, Parque Estadual Serra do Intendente e Parque Natural Municipal do Tabuleiro (CMD) permanecem fechados e sem previsão de reabertura.

Atrativos turísticos abertos a visitação são:

Cachoeira Grande
Cachoeira Véu da Noiva
Cachoeira Serra Morena
Cachoeira da Caverna
Fazenda Parauninha

Não estão disponíveis a visitação

– Pedrão
– Cachoeira da Capivara
– Ponte do Córrego Palácio
– Fazenda Cipó/Lapa do Urubu
– Açude
– Cachoeiras e cursos d’água em propriedades privadas no alto da Serra
– Cachoeira do Virgulino (Lapinha da Serra)
– Qualquer lugar que tenha que passar por baixo da cerca ou danificar porteira.

Garanta aqui hospedagem na Serra do Cipó

Serra do Cipó reabrirá pousadas 21 agosto e cachoeiras dia 1° setembro

A Prefeitura de Santana do Riacho autorizou o funcionamento dos parques e cachoeiras de segunda à sexta-feira, no horário de 8 às  17 horas até 20 de setembro.

As pousadas da Serra do Cipó, distrito de Santana do Riacho, localizado a 120 km de Belo Horizonte, poderão reabrir na sexta-feira (21/08) com metade da taxa de ocupação. No dia 2 de agosto o avanço dos casos de coronavírus em todo o município obrigou a prefeitura a fechar todas as atividades comerciais são essenciais.

A partir de 1° de setembro as pousadas da Serra do Cipó os hotéis e pousadas poderão funcionar com taxa de ocupação de até 60%. As áreas de lazer das pousadas poderão reabrir. O uso de máscaras é obrigatório e não será necessário comprovar uma hospedagem na Serra do Cipó para entrar no distrito. Ou seja, a pessoa poderá passar o dia na localidade.

Os restaurantes e bares da Serra do Cipó poderão funcionar sem aglomerações até às 21 horas. Que tal tomar um banho de cachoeira para lavar esse “zica” do coronavírus? Isso será possível a partir de 1° de setembro. Nesta data os parques e cachoeiras que possuem portarias para controlar o acesso do público poderão reabrir.

A Prefeitura de Santana do Riacho autorizou o funcionamento dos parques e cachoeiras de segunda à sexta-feira, no horário de 8 às  17 horas até 20 de setembro. Nos finais de semana deverão ficar fechados. A partir de 21 setembro os parques e cachoeiras poderão funcionar todos os dias. A data de reabertura do Parque Nacional da Serra do Cipó ainda não foi definida.

A partir de 1° de setembro as pousadas que possuem mais de 10 apartamentos poderão funcionar com 60%. Os estabelecimentos com menos de 10 (dez) apartamentos, com capacidade máxima de 70%.

Em todo o município de Santana do Riacho foram registrados 16 casos de coronavírus e nenhuma morte. Nas estradas de acesso ao município serão instaladas barreiras sanitárias.

Booking.com

 

Um banho de cachoeira ou Rio? Saiba onde ficar e o que fazer em Cabeça de Boi

Quem vai a Cabeça de Boi pela primeira vez escuta pelo menos duas versões sobre seu curioso nome, que, na verdade, é uma espécie de “apelido” para o povoado de Santana do Rio Preto, a 9 km de Itambé do Mato Dentro, em Minas Gerais. Alguns dizem que o vilarejo foi batizado assim por causa da extremidade de uma das serras avistadas do povoado, cuja forma lembraria uma cabeça de boi – apesar de muitos não enxergarem tal figura –; outros dizem que o nome vem de uma fazenda antiga da região. Porém, isso é o que menos importa diante da exuberância da paisagem que o turista contempla logo que chega ao local. 

Cabeça de Boi encontra-se ao sul da serra do Espinhaço, o maciço rochoso que corta os estados de Minas Gerais, Bahia e Piauí. A apenas 130 km de Belo Horizonte e a 47 de Itabira, a região é considerada uma das mais belas do país. Ela engloba o Parque Nacional da Serra do Cipó, a Área de Proteção Ambiental Morro da Pedreira e municípios que fazem parte do circuito Estrada Real. É só aproveitar as passagens aéreas  promocionais e viajar até Confins, na Região Metropolitana de BH. O povoado, de cerca de 80 habitantes, possui uma vista de 360º, pois é totalmente cercado por serras e montanhas. Ele consiste basicamente de uma praça, uma igreja e poucas dezenas de casas. Essas serras abrigam uma grande diversidade de plantas e animais, além de rios e cachoeiras. 
Partindo do povoado, a distância das cachoeiras mais visitadas varia de 4 a 7 km, percurso que pode ser percorrido a pé ou de carro. Lajeado, Entancado e Maçãs são as cachoeiras mais conhecidas. Entre as várias outras opções de passeio, estão a cachoeira do Chiquinho e a serra das pinturas rupestres. As pinturas, com data estimada de 6 a 8 mil anos, são bastante nítidas e muito bem conservadas, e o local onde elas ficam possui uma belíssima vista. 
Quem consegue sobreviver sem celular e sem internet por pelo menos dois dias – lá só tem sinal de uma operadora e assim mesmo só pega em alguns pontos específicos do povoado – pode aproveitar bem o tempo em belas caminhadas e em passeios de bicicleta por estradinhas de terra e trilhas. É importante não esquecer a câmera fotográfica. E, depois de um dia exaustivo de sol e muito exercício físico, nada melhor do que se sentar em uma daquelas vendinhas típicas do interior, tomar uma cerveja bem gelada e saborear uma porção de carne de lata – carne cozida, conservada em banha de porco – ou de banana verde frita. Na pequena localidade você encontra o chip de banana, muito gostoso!
Pousada Serra do Lobo em Cabeça de Boi
BANANA CHIP
Se a fome for maior, há dois restaurantes de comida mineira. A refeição custa R$ 15 pra comer à vontade. Serviços Em Cabeça de Boi, o turista pode se hospedar em uma das cinco pousadas do povoado, com diárias que variam de R$ 140 a R$ 310 por casal, com café da manhã.  Há também a opção de alugar casas, com capacidade para 6 a 10 pessoas e diárias entre R$ 300 e R$ 500. Para chegar ao povoado, a maneira mais fácil é ir pela BR 381 até Bom Jesus do Amparo, seguindo pelos distritos de Ipoema e Senhora do Carmo e pela cidade de Itambé do Mato Dentro. Desta, são apenas 9 km até Cabeça de Boi. Até Ipoema é asfaltado, restando um trecho de 37 km de estrada de terra. Há também a opção de ir para Itabira e, de lá, para Senhora do Carmo e depois Itambé.
Nesse trajeto, o trecho de estrada de terra é menor, cerca de 20km. Seja qual for o caminho, a viagem dura aproximadamente três horas. Pra quem não gosta de dirigir na estrada, existe a possibilidade de ir de ônibus até Itambé do Mato Dentro. Lá, algumas pessoas prestam o serviço de transporte até Cabeça de Boi, cobrando cerca de R$ 30 pela viagem. O ônibus, da viação Saritur, sai da rodoviária de Belo Horizonte diariamente às 8h30 e às 15h45. Aos domingos, o horário da tarde é 17h45.  Agora é só pode aproveitar as passagens aéreas promocionais.

Textos e fotos de Patrícia Melillo, proprietária da Pousada Serra do Lobo.
Contatos: 31-99537-6205

CONTATOS DAS POUSADA

Pousada do Marquinho 31-99559-4944

Pousada do Candinho 31-999017231

Pousada Villa Ventura 31-99735-9933

Zé Agostinho (Aluguel de casas): 31- 3836-5296

ENCONTRE AQUI AS POUSADAS DA REGIÃO

Um convite para você conhecer as belezas naturais da cidade de Socorro

 

Localizada a apenas 132 km da capital Paulista, Socorro é uma cidade turística que faz parte da Serra da Mantiqueira. A beleza natural do município, com diversos rios e cachoeiras, faz com que Socorro faça parte do Circuito das Águas e o tornam o local ideal para a prática de esportes de aventura, que atraem um grande número de turistas.

O Rio do Peixe é um rio enorme que divide os estados de São Paulo e Minas Gerais. Ele corta a cidade de Socorro e é um dos locais mais escolhidos para as atividades esportivas tanto por iniciantes quanto por profissionais, graças a sua extensão, a grande quantidade de cachoeiras, fortes corredeiras e quedas d’água.

Entre as diversas atividades praticados no Rio do Peixe está o Boia Cross. Esse esporte consiste em descer as corredeiras de um rio com uma câmera de caminhão moldada em forma de pequeno bote, com a qual os participantes enfrentam rios de fortes corredeiras, com muitas pedras e pequenas quedas d’água.

O Rafting, atividade que consiste na descida de rios e corredeiras em botes infláveis. Os participantes remam conduzidos por um instrutor, responsável pela orientação do grupo durante o percurso. Uma atividade que exige trabalho em equipe, agilidade e reflexos apurados, atenção a comandos, superação de limites e obstáculos.

Já no Acqua-Ride seus praticantes descem o Rio do Peixe a bordo de uma bóia individual feita com material resistente, em formato de banana , onde os participantes enfrentam intensas quedas d’água, fortes corredeiras, além das barreiras naturais, como as pedras.

Além dos esportes aquáticos, há também o Arvorismo, atividade cujo conceito primordial é a possibilidade dos participantes serem levados até o nível das copas das árvores, ficando suspensos através de cordas e cabos de aço. Os percursos variam de 150 a 800m. de extensão, com inúmeros tipos de obstáculos, passando por cima de montanhas, lagos, ilhas, rios e outros empecilhos naturais. Para maiores informações sobre restaurantes e pousadas em Socorro acesse o site do Roteiro de Turismo

 

Consulte Hospedagens em Socorro – SP

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com